fbpx

O que nunca te contei sobre o Método 4.2 de Revisão

Eu não sei quais são os seus OBJETIVOS.

Talvez você esteja procurando a sua primeira colocação no mercado de trabalho, querendo mudar de emprego, ter um salário melhor, ter mais qualidade de vida ou simplesmente exercer uma atividade que te dê mais satisfação, profissionalmente falando.

Mesmo sem saber ao certo o que você quer, vou te mostrar nas próximas linhas como você pode alcançar tudo isso mais rapidamente, com mais EFICIÊNCIA.

Prepare-se para conhecer algo novo, diferente de tudo o que você já viu.

Seguindo os passos que apresento no MÉTODO 4.2 DE REVISÃO, eu consegui:

  • Estudar com tranquilidade, reduzindo a sensação de “estar perdido” em meio a tantas disciplinas e assuntos presentes no edital;
  • Conter a ansiedade, encarando a preparação para concursos como algo de médio/longo prazo;
  • Ser aprovado em vários concursos, de nível médio e superior, em prazos relativamente curtos;
  • Ter a oportunidade de escolher entre cargos e órgãos em momentos importantes da minha vida;
  • Mudar completamente a minha realidade financeira;
  • Dar mais qualidade de vida para a minha família.

Hoje em dia, com tanto material de estudo de qualidade disponível no mercado, o diferencial está justamente na forma COMO VOCÊ ESTUDA, na sua estratégia e como você organiza as suas ações.

O que vou te contar nesse texto é justamente como eu fiz para organizar as milhares de páginas e vídeos que eu tinha no meu HD.

Organização é tudo no mundo dos concursos!

Mas calma, eu não estou falando que tudo será como num conto de fadas, que a mágica acontecerá na sua vida.

Nada disso! Sou bem realista. Quem me conhece, sabe disso.

Você vai ter que ralar muito, estudar com regularidade e fazer milhares de questões de concursos anteriores.

Meu nome é Rafael Barbosa. Sou filho de Alcione Cavalcanti e João Barbosa. Tenho dois irmãos. Sou filho do meio. Oriundo de família humilde. Meu pai é técnico em eletrônica e a minha mãe, agente comunitária de saúde.

Figura 1 – em 1986, com menos de um ano de idade.

Estudei praticamente toda a minha vida em escola pública. Nunca tive muita opção. Mas sempre fui aluno aplicado. Prestava bastante atenção durante as explicações dos professores.

Sempre gostei de fazer as atividades. A hora de fazer exercícios sempre foi a mais legal pra mim. Eu gosto de desafio.

Como não bastassem todos os problemas que a minha família tinha, meus pais resolveram se separar quando eu tinha 7 anos de idade.

Mas calma, minha intenção não é ficar aqui falando sobre problemas. Desde cedo, procurei logo uma solução para a confusão na qual eu me encontrava.

De todas as janelas que poderiam se abrir pra mim, encontrei nos estudos o cenário mais bonito. Por influência dos meus avós paternos, Seu Barbosa e Dona Vanúzia, decidi fazer concursos públicos para carreiras militares.

Na melhor parte da adolescência, onde geralmente as pessoas brincam, namoram e se divertem, eu abdiquei dos prazeres em prol do meu futuro.

A vida é feita de escolhas.

Aos 15 anos de idade, já me dedicava aos concursos, estudando religiosamente, todos os dias. O resultado veio aos 17 anos, com a minha aprovação. Fui ser Sargento do Exército Brasileiro.

Figura 2 – Aos 14 anos, enquanto ainda morava em Arcoverde, no sertão de Pernambuco (da esquerda para a direita – minha mãe, eu, minha bisavó e minha vó.

Ali, no ano de 2003, desenvolvi as bases para o Método 4.2 de Revisão.

Naquele período, estudando apenas com base em livros usados comprados em sebos, sem cursinho e sem orientação, tive que encontrar uma forma de organizar o estudo da teoria, as revisões e a resolução de questões.

Nenhuma dificuldade pode ser maior que a força de vontade.

Aos dezessete anos, usando a minha técnica, estudando em casa, passei nos meus primeiros concursos. Aos 18 anos de idade, eu era a pessoa com a melhor remuneração da minha família.

Sem dúvida alguma, eu já me considerava um vitorioso.

Passei sete anos no exército, mas no meu segundo ano de forças armadas eu já sabia que aquilo não era pra mim.

Figura 3 – Aos 18 anos, no mês da formatura como Sargento do Exército Brasileiro.

Enquanto militar, fiz meu vestibular para o curso de Ciências Contábeis na Universidade de Brasília, e voltei a estudar pra concursos ainda durante a graduação.

Para passar nos concursos de nível superior, usei as mesmas técnicas que havia utilizado quando fui aprovado no concurso do exército.

O time estava ganhando…

A mesma forma de organizar os meus tempos de estudo, as mesmas ferramentas, a mesma divisão de tempos. Incrivelmente, 6 anos depois (já estamos em 2009), a minha técnica deu certo.

Durante o ano de 2010, seguindo os passos que me levaram a sair do nível médio diretamente para o meu primeiro cargo público, consegui a façanha de passar em 5 concursos para o cargo de Analista (nível superior), antes mesmo de concluir a minha graduação.

Foi aí que eu me dei conta: a minha forma de estudar poderia ser aplicada por outras pessoas.

A primeira pessoa a utilizar a minha técnica foi Nara Cristina, que se formou comigo na UnB.

Nara estava triste, pois já havia feito alguns concursos e não obteve aprovação em nenhum deles.

Não hesitei em ajudá-la. Expliquei como havia feito durante a minha jornada até as aprovações. Dei um choque de ânimo nela. Mostrei que era possível.

Ela já tinha todo o material que precisava, faltava apenas organização.

Seguindo boa parte das minhas orientações, ela foi fazer a prova para Auditora da Universidade de Brasília. Para a sua grata surpresa, foi aprovada nas vagas.

Não foi milagre!

Ela apenas organizou seu tempo, usou o material certo para a disciplina certa. Fez a quantidade certa de questões. Fez o certo!

Vibrei duplamente com essa aprovação de Nara. Ajudei uma amiga e testei a minha técnica em outra pessoa, com uma realidade totalmente diferente da minha.

Qual é o segredo desse método?

Organização, simplicidade, objetividade… esses são alguns dos segredos do método.

No final de 2010, a Defensoria Pública da União me nomeou para o cargo de Analista. Eu ainda não estava formado. Tive que correr atrás do diploma.

Consegui a outorga antecipada do diploma. Me despedi das forças armadas.

Seis meses depois, fui nomeado Analista Judiciário do Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região. Me mudei de Brasília. Fui morar na capital potiguar, Natal/RN.

foto-03-método-4.2-de-revisão
Figura 4 – aos 26 anos, como Assessor de Planejamento e Qualidade do TRT21, 2012.

Eu tinha apenas 25 anos. Era analista judiciário num dos tribunais mais concorridos do país, ganhava bem, morava a 200 metros da praia. Eu realmente não tinha do que reclamar.

O meu primeiro salário, no exército, aos 18 anos, foi de R$ 1.360,00. Aos 25 anos, já ganhava cerca R$ 7.500.

No tribunal, alcancei o alto escalão administrativo. Aos 27 anos, eu era Secretário de Planejamento Estratégico, ganhava cerca de R$ 23.000,00 por mês.

Vejam como os estudos mudaram a minha realidade financeira. Foi uma ascensão muito rápida.

Repito, não teve milagre.

Foram muitas horas de bunda na cadeira, muita dedicação e o Método 4.2 de Revisão.

Nunca foi sorte.

Como está a sua vida hoje? Você está satisfeito? Veja como a educação transformou a minha vida. Ela com certeza pode mudar a sua realidade também.

Se você estiver disposto a suar a camisa, então você está no lugar certo. Aqui você encontrará o que precisa para tornar o seu estudo mais eficiente.

Aos 28, eu tinha a vida que nunca imaginava que teria. Era concursado, tinha um cargo estratégico no tribunal e dava aula de contabilidade e matemática financeira na Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Mas eu não estava satisfeito!

Desde os tempos de exército que o cargo de Auditor Fiscal me chamava atenção. Era o cargo que todo mundo queria. Em 2013, com a minha vida praticamente resolvida, voltei a estudar para concursos.

Quem deseja ter uma vida melhor deve estar sempre disposto a recomeçar.

Foi a terceira vez que sentei para estudar para concursos públicos. As coisas haviam mudado desde 2003. Com o advento e popularização da internet, encontrar material de qualidade já não era mais um problema.

Cursinhos on-line, videoaulas, cursos em pdf. Tudo estava muito mais acessível.

No entanto, as notas de corte subiram na mesma proporção da disponibilidade de conteúdo. Os concurseiros estavam mais profissionais.

Tudo mudou, mas o segredo da aprovação ainda estava centrado nas mesmas variáveis: estudo da teoria, revisões e resoluções de questões.

Mais uma vez, tive que recorrer à minha técnica de estudo. O Método 4.2 de Revisão se mostrou, mais uma vez, eficaz.

Com a organização e eficiência que eu já havia experimentado em outros momentos importantes da minha vida, consegui, de meados de 2013 a setembro de 2014, mais 5 aprovações em concursos.

Quem faz bem feito, faz apenas uma vez.

Não foi nada do zero, é claro. Eu já tinha 7 aprovações em concursos quando passei no meu primeiro concurso para auditor, na Controladoria Geral do Estado do Ceará.

Na sequência, veio a aprovação para Auditor do Tribunal de Contas da Bahia.

Depois de poucos meses, consegui passar em 2º lugar para Auditor do Estado do Maranhão.

Finalizando a minha odisseia (parte 3), em finais de semana consecutivos, vieram as aprovações na Secretaria de Finanças de Recife/PE e na Secretaria de Fazenda de Pernambuco, onde trabalho hoje.

Já me perguntaram porque eu só fazia concursos no Nordeste. O motivo é simples. Eu sou nordestino e já havia morado 8 anos longe de casa. Como eu já ganhava bem, me dei ao luxo de escolher a localidade.

Fui feliz nas minhas escolhas.

Foco, organização, disciplina, força de vontade, esses são os ingredientes fundamentais para se conseguir sucesso em qualquer projeto.

Aos 30 anos de idade, me tornei Auditor Fiscal da Secretaria de Fazenda de Pernambuco. Um feito e tanto para quem saiu “do nada”, usando livros usados e sem qualquer orientação profissional.

Sem ter mais para aonde ir, já que não tinha mais nenhum cargo que me chamasse atenção, decidi dividir com outras pessoas as experiências que adquiri durante todo o meu processo de aprovação.

Desde julho de 2017, o meu foco é difundir o método que me garantiu 12 aprovações em concursos públicos.

Quer saber como consegui ser aprovado em tantos concursos? Experimente o Método 4.2 de Revisão.

São fundamentos do método:

  • Adaptabilidade, cada aluno tem um planejamento único, personalizado;
  • Fragmentação dos tempos de estudo;
  • Priorização dos textos como base do estudo;
  • Resolução de questões em todas as etapas do aprendizado;
  • Avaliação de desempenho por assunto;
  • Foco na produtividade, não no tempo que você fica sentado estudando.

Se você tem dificuldade de organização, nunca bateu um edital na vida, tem dúvidas sobre quando avançar na disciplina e se perde em meio a tantas aulas, vídeos e ferramentas de estudo, você precisa de ajuda.

O Método 4.2 de Revisão é indicado para todos os níveis de concurseiros (iniciante, intermediário ou avançado) e com qualquer carga horária acima das 2 horas diárias.

O método é diferente de tudo que você já viu.

Tenha o controle total sobre o que você está estudando.

Fuja das fórmulas de estudo que te enchem de revisões, que te impedem de avançar no conteúdo.

Não se prenda a planilhas mirabolantes, cheias de fórmulas e campos para preenchimento.

Gaste o menor tempo possível com controles, você precisa focar no que realmente importa: estudar!

Menos é mais!

Sem firula, sem nomes bonitos, sem produtos pré-formatados.

Divida o seu tempo de estudo em 4 dias para o estudo da teoria e 2 dias para as revisões.

Faça questões de fixação nos dias de teoria e questões de teste nos dias de revisão. Aliás, as suas revisões serão baseadas em questões.

Revise apenas o que errar, assim você ganha tempo. As questões que você acertou são um “certificado” de que você aprendeu aquele assunto.

Enfim, essas são as informações que todos já sabemos. Está no Youtube, nas minhas redes sociais, no meu livro.

Mas o que acontece depois da primeira semana? Como devo proceder quando não consigo melhorar os meus percentuais de acerto? O que fazer no pós-edital?

As respostas a todas essas perguntas dependem sempre do estágio de desenvolvimento de cada aluno.

Não existe resposta padrão.

Por mais que eu tente ajudar a todos nas redes sociais, a melhor resposta sempre será aquela baseada nos dados de cada pessoa.

É por isso que desenvolvi o Programa de Coaching do Método 4.2 de Revisão.

Só assim consigo transmitir todas as técnicas que utilizei durante a minha preparação, individualmente.

O programa de coaching tem duração de 6 meses, renovável. São vagas limitadas.

Se você tem interesse em conhecer o segredo do Método 4.2 de Revisão e quer acelerar o seu processo de aprovação, clique aqui para se inscrever na minha lista.

Você vai sentir a diferença já nas primeiras semanas de estudos. Tenho dados de alunos que mostram um aumento de mais 70% no rendimento médio em questões ainda nas dez primeiras semanas com o método.

Figura 5 – Aluna Juliana Nathiele, do Programa de Coaching.

É realmente impressionante.

Com os mesmos cursos, as mesmas aulas, o mesmo banco de questões, mas agora com uma forma diferente de organizar os estudos.

Organização, essa é a mágica!

Conclusão

Então, o que você aprendeu aqui hoje?

Nas últimas linhas, eu te contei que o Método 4.2 de Revisão reúne técnicas capazes de organizar as milhares de páginas, vídeo aulas e questões, tornando seu estudo mais eficiente, gerando resultados extraordinários.

Você vai ganhar tempo!

Com o método, você pode aumentar o seu percentual de acerto em questões em mais de 70% nas 10 primeiras semanas de estudo.

Eu também te mostrei que a base para alcançar melhores resultados em concursos é saber organizar o estudo da teoria, as revisões e a resolução de questões. Esse é o tripé da preparação.

E se a sua dúvida era “o que o método tem de tão especial para gerar resultados extraordinários e se ele vai funcionar pra você”…

Você descobriu que não existe fórmula mágica nem resposta padrão para perguntas complexas. O método vai atender à sua necessidade de acordo com o seu perfil, baseado nos seus dados históricos e o seu comportamento durante o processo.

Por isso, se você quer mudar a sua forma de estudar, o acompanhamento individualizado é o mais indicado. Só assim você aprenderá a melhor forma de aprender.

O método vai te dar tudo isso!

E aí, o que você achou deste conteúdo? Me conta aqui nos comentários.

Grande abraço,

Rafael

Gostou deste artigo? Compartilhe!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
Linkdin
Share on pinterest
Pinterest

Deixe seu comentário