fbpx

O peso das discursivas na área fiscal

Provas discursivas

Fala, galera! Os concursos fiscais estão na área e todos cobram provas discursivas. Alguns exemplos são SEFAZ ES, SEFAZ AL, SEFAZ CE e SEFAZ PA.

São oportunidades incríveis para você que sonha em ter um cargo na área fiscal. E você precisa estar bem preparado, pois são certames de ampla concorrência.

Você precisa estar atento, pois as aprovações serão decididas nos detalhes, então, qualquer erro pode ser fatal. Dessa forma, você precisa encontrar maneiras de se diferenciar da concorrência.

Uma delas é adquirindo o máximo de pontos nas provas discursivas! Elas costumam ser decisivas nos concursos fiscais e você precisa estudar com estratégia, além de possuir uma preparação de alto nível.

Mas não se preocupe, pois estamos aqui para ajudar você com o curso Banca de Discursivas!

A ideia do curso é ensinar você a elaborar sua discursiva “nota 10”, submetendo o seu texto a nossa banca avaliadora. É isso mesmo que você leu! O seu texto será corrigido por nossa banca avaliadora formada por profissionais gabaritados no assunto!

Antes de mais nada, você precisa saber alguns detalhes importantes. Vou apresentar, em breves comentários, a diferença entre peça técnica, estudo de caso e discursiva. Vamos lá:

O estudo de caso é quando há uma situação fictícia e, a partir dela, você deve apresentar senso de análise pautado no conhecimento teórico e, obrigatoriamente, discorrer sobre como solucionar o caso. Sempre fazendo menção à história contada no enunciado.

O texto discursivo possui o objetivo de analisar caso hipotético e propor solução com base na teoria, apresentando uma linguagem pessoal, formal, objetiva e clara, sendo que é necessária uma introdução, o desenvolvimento do texto e uma conclusão.

Já a peça de natureza técnica possui uma estrutura parecida com a questão discursiva, pois o enunciado também é dividido em 3 partes e são cobrados assuntos relacionados às matérias de conhecimento específico. Porém, o grande diferencial está na forma com que o conhecimento é exigido.

Na questão discursiva, o examinador exige os conceitos e as respostas diretas a respeito de uma matéria. Já na peça de natureza técnica, o candidato precisa utilizar o conhecimento técnico para avaliar uma situação hipotética.

A tabela a seguir contém os últimos 10 concursos (maiores) da área fiscal já realizados que cobraram a prova discursiva e o percentual de importância em relação ao total de pontos.

CONCURSOSBANCA% DO TOTAL DE PONTOS
AFRFBESAF22,22%
SEFAZ ESCESPE23,08%
SEFAZ BAFCC19,51%
SEFAZ ALCESPE23,81%
SEFAZ DFCESPE33,33%
ISS SALVADORFUNCAB9,52%
ISS SPCETRO25,00%
ISS TEREZINAFCC40,00%
ISS SÃO LUÍSFCC40,00%
ISS MANAUSFCC50,00%

Outro detalhe que merece destaque é o fato de que as provas discursivas na área fiscal, em sua esmagadora maioria, cobram assuntos das principais matérias da área (LTE/LTM; DTR; AUD; CTB). Vejamos as matérias cobradas nos 10 certames.

– SEFAZ/ES (5 questões): DTR; CTB; LTE; DCO.

– ISS/Salvador (1 questão): DTR; LTM.

– ISS/SP (3 questões e 1 redação): DTR; LTM; Atualidades (redação).

– AFRFB (2 questões): DTR; LAD; CIN.

– ISS/Teresina (3 questões): DTR; LTM; CTB; AUD.

– ISS/São Luís (3 questões): DTR; LTM; CTB; AUD.

– ISS/Manaus (3 questões): Não especificado no edital.

–SEFAZ/BA (1 questão): INFO, AUD, RLM, EST, LTE.

– SEFAZ/AL (2 questões): LTE, AUD.

– SEFAZ/DF (3 questões): DFI; DTR; LTE/LTM; CTB; AUD.

Para você ficar esperto, temos 3 grandes concursos da área fiscal na praça e todos cobram a discursiva. Veja que isso é uma tendência que está bem forte nessa área.

Como vocês podem ver, geralmente a banca cobra as disciplinas mais específicas, dando ênfase para as matérias de Direito Tributário, Contabilidade, Legislação Tributária e Auditoria.

Na Banca de Discursivas, você aprenderá do zero a como elaborar um texto de qualidade, sem frescura, direito ao ponto.

Gosto de dizer que viemos para revolucionar o mundo dos cursinhos para discursivas. Aqui, te ensinamos a matar a cobra e mostramos o pau.

É comum ver pessoas que estudam há anos negligenciarem o estudo da discursiva. Esse comportamento se deve ao fato de que a grande maioria dos cursos de discursivas dissociam totalmente o “estudo da produção de texto” do “estudo das questões objetivas”.

Isso acaba postergando o início da preparação das discursivas, tendo em vista que o foco dos alunos geralmente está no desenvolvimento da base para as provas objetivas e estes têm medo de misturar as coisas (o que de fato poderia atrapalhar o desenvolvimento do aluno).

Mas uma coisa temos que deixar clara: o concurseiro pode gabaritar a prova objetiva, mas se ele for reprovado na prova discursiva, acaba sendo eliminado do certame.

Ele não está vendo, mas a discursiva é a única matéria que sempre tem “mínimo”, sempre representa isoladamente um risco de reprovação. Esse é o perigo que pouca gente enxerga.

É por isso que é tão importante desenvolver a habilidade da escrita desde o início da preparação. E isso exige uma mudança de mentalidade, onde o concurseiro consiga ver que é possível ir desenvolvendo a habilidade de escrever bons textos mesmo durante o estudo focado nas objetivas.

Agora eu deixo com você. Tenho certeza que a Banca de Discursivas irá te ajudar muito nessa caminhada. Mas se por ventura você não vier a adquirir o nosso curso, não deixe de treinar e aplicar o conhecimento sobre os conteúdos explanados aqui nessa aula inicial, focando também na estrutura dos textos, bem como os aspectos gramaticais.

Banca de Discursivas

Banca de Discursivas é uma plataforma especialmente desenvolvida para avaliar como está o seu nível em relação à elaboração de Provas Discursivas. O seu texto será submetido a uma Banca de Discursivas e passará por mais de uma avaliação. Dessa forma, os critérios utilizados para corrigir o seu texto serão minuciosamente controlados, o que fará com que você tenha uma correção completa do seu texto.

Você definitivamente aprenderá a escrever um texto nota 10 a partir do conhecimento prático. Conheça mais sobre a Banca de Discursivas clicando no botão abaixo!

Gostou deste artigo? Compartilhe!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
Linkdin
Share on pinterest
Pinterest

Deixe seu comentário